terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Sobre a trolagem em 50 tons


Eu ando lendo a trilogia “50 tons de cinza” com um interesse quase antropológico. Sim, sou mais uma voz na multidão dando ibope para o romance de Anastasia Steele e Christian Grey.

Na realidade pouco me importa se o livro é bom ou não, todo mundo já falou sobre isso. Sim, ele é mal escrito, a putaria é fraca e a mocinha é chata para caraleo. Isto posto, quero me focar nas trolagens que estão rolado por parte dos homens em relação às mulheres, entre as mulheres e contra a autora.
Bom, na real caguei baldes para a autora. Pra mim ela tem mérito: é medíocre e tá rica, tá melhor do que eu, portanto.

Já a questão mulheres versus mulheres me preocupa. Sabe por que o mundo não é das mulheres? Porque nego não é unido. Muito se fala do corporativismo masculino, mas é justamente essa brodagem que garante imunidade aos homens. 

Não gostou? Só lamento, mas quem tá dominando são eles. E sabe por quê? Por causa de textos como esse (http://machosderespeito.com.br/2012/11/29/50-tons-de-mulheres-mal-comidas)

O sujeito fala a verdade, essa mocinha é ridícula, uma interesseira etc. Mas calma, não é só isso! Tem mais coisa aí, mais tons de cinza. (mals aí o trocadalho). 

Pois atentem para o comentário da leitora Priscila Amaral no supracitado texto. O autor critica Ana por só se deixar levar por Grey porque ele é bilionário. Mas e daí? Gente, eu nunca tive um bilionário aos meus pés, mas adoraria. Quem resiste a um jatinho particular?! E, veja bem, Ana Steele não é uma vendida, ela tem princípios, só que o fato de ele ser bilionário torna tudo mais interessante.

Você amiga leitora cansou de dividir a conta do bar com os carinhas com quem você sai? Pois, bem vinda ao clube, todas cansamos. Só que a gente não tinha opção, né? A gente tinha que se impor. A gente tinha que se inserir no mercado de trabalho, a gente tinha que ser mãe, ser independente, ser linda, ser gostosa. Pois cansamos e daí?

Ninguém aqui está jogando os anos de sutians queimados fora, ninguém aqui está dizendo que quer virar dona de casa, ninguém aqui está dizendo que quer ser sustentada por marido, mas, na boa, alivia aí!

Me quer linda, depilada, maquiada e malhada? Pois pague a conta do restaurante porque tá puxado pagar por tudo isso e ainda dividir o chope!

Me quer divertida, inteligente, esperta e amiga dos meus amigos, cheia de assunto? Então não queira uma mulherzinha desinteressante que não será tão divertida e independente. E por aí vai.

Não queremos mais igualdade, não queremos ser melhores, queremos ser complementares. Dá um tempo aí galere. Vamos parar com tamanha belicosidade. Mulherada, não critique suas pares, vamos nos unir porque não tá fácil pra ninguém.

2 comentários:

Raquel disse...

Já fui acusada de machista pq falei que achava maneiro o cara pagar a conta de vez em qdo, especialmente no primeiro encontro. Considero um galenteio perdido. Concordo plenamente que já fazemos mto e gostaria de um cavalheirismo de vez em qdo.

Unknown disse...

Não li o livro nem está nos meus planos lê-lo, mas acho válida a discussão.
A merda é que nessa de mulher segura e independente, a gente acaba se contentando com pouco e os caras acostumam a fazer pouco.
A gente não quer virar dondoca de bilionário cheio de exigência (tô bem fora de uma dessa), mas um pouco mais de gentileza não faz mal pra ninguém.
P.S.: o cidadão que escreveu o outro texto é um completo idiota.